terça-feira, 29 de julho de 2014

Professores descobrem novos textos, nova literatura.







Entre aulas, fechamento das notas bimestrais e intervalos, professores fizeram uma pausa, antes das férias, para conhecerem um pouquinho, o novo acervo disponível na biblioteca da escola. O primeiro olhar era dirigido para o visual das capas; o segundo,aos títulos e autores; o terceiro, às contra capas e orelhas. Entre textos clássicos e contemporâneos, alguns bem próximos de nossa realidade brasileira e outros romances contemporâneos, revelando outras realidades, outros lugares, outras culturas, eles iam se familiarizando. Em meio a contos, crônicas , romances e poesias , iam buscando novos textos , e aos poucos eram seduzidos por uma indicação de um colega ou por um novo título e autor. Alguns tentando sair do gênero textual habitual, fazendo novas descobertas e conhecendo o novo.
Terezinha indicou a leitura de Mario Benedit, Andrea indicou a leitura de Contos Húngaros,Val convenceu Luciana a levar O Filho Eterno, que já estava sendo lido, ali mesmo, pela Arlete. Sirley tanto elogiou o conto "O Capote" de Gogol, que a amiga não perdeu tempo e o levou para a sala de aula. Paula ficou tão encantada com o que viu, que demorou a decidir-se. Mas depois de namorar muito os títulos, foi convencida a levar para casa " O professor " , de Tezza, juntamente com outros títulos de poesia, contos e crônicas. Luciana levou para ler em sala , juntamente com seus alunos, O Gato Preto, de Edgar Alan Poe. Deuzira saiu do "habituê" e foi seduzida por: Você pensa o que sabe que pensa? Salete não quis arriscar- se e pegou História das Mulheres no Brasil . A Vânia saiu com vários e entre eles: Os Vizinhos Morrem nos Romances. Simone Chede encantou-se por A Minha Vida com Bóris. Claúdio pediu uma indicação e levou para ler as crônicas do livro Casa Aberta , de Fernando Brant. Os livros , quase todos novos, foi um convite para a professora Júlia. Ela os saboreava, cheirando-os. Depois descobriu a poesia visual em Vagalovinis, a poesia textual de Ilan Brenman e ficou ali saboreando textos vários. O professor , Antonio, adora ficção científica, mas foi seduzido pelo Balzac. Nem participou da alegria da "galera" . A alegria dele era outra: a descoberta de outra literatura....Adilson, que já estava lendo também o Tezza, parou mais de uma vez para olhar, olhar, mas a próxima aula era dele e partiu. 
As professoras Tereza e Denise foram de contos e crônicas. Kafka e seu Essencial , Mar de Histórias e Mais Contos de Edgar Allan Põe . Agora só falta mesmo levarem os livros lidos para a sala de aula e divulgá -los entre os alunos. Foi um Sarau Literário.