quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Biblioteca escolar quase virando sala de professor.

Sim. Foi um ano de muitas leituras.


Sempre terminamos o ano fazendo um levantamento dos livros, gibis e mangás lidos pelos alunos , durante o ano letivo. Este ano faremos diferente: queremos falar sobre os professores e suas leituras. A cada ano, a biblioteca passa a ser frequentada por mais professores. Seja entre um intervalo e outro, seja na hora do café, seja em uma aula vaga, seja antes ou depois de entrar em sala. Os nossos colegas professores sempre são recebidos com muita alegria por nós. Além disso, por meio de mensagens, nos pedem  uma  indicação de  leitura para filhos, sobrinhos, netos. Porém, cada vez mais, eles procuram a biblioteca escolar para escolherem as suas leituras. Não é raro um bate papo gostoso sobre uma obra lida. Foi por meio da professora Terezinha, que conheci a obra: Borra de Café, do escritor uruguaio, Mario Benedetti. E quando  os Saraus foram realizados, nas ATPCs, o diálogo sobre livros e autores foi muito positivo e prazeroso.
Se ainda há resistência em relação à leitura literária, por outro lado, há  professores desejando que espaços de leitura possam ocorrer com mais frequência  dentro do espaço escolar.  Uma escola deve ser viva, e nela deve haver crescimento, criatividade, consciência crítica. Um professor leitor  só contribui para a aprendizagem de seus alunos e para a sociedade que desejamos.

Nem O Grande Irmão com seus olhos que tudo  vê, de 1984, nem o fogo na temperatura Fahrenheit 451º, de Bradbury,  nem mesmo a chuva que veio com a última tempestade,  pode levar sonhos e conquistas. Para quem sentiu o cheiro do conhecimento no ar, eu digo: quando plantamos a leitura, estamos plantando a vida, a esperança, estamos incentivando o diálogo criativo. Estamos colocando frente a frente, as divergências de ideias. Isso é vida pulsante.

A Mania de Matemática do Jean
A Alice no País do Quantum do Ary
A Química na Cabeça do Jorge
A Música dos Números da Francinete
A África  na Sala de Aula  do Lucas
Histórias Africanas da Lorraine
Cineastas Indígenas da Mônica;
Clarice na Cabeceira da Tereza
O Símbolo Perdido da Vânia
O Quixote da Patrícia
Vidas Secas do Adilson
As Crônicas da Luciana
A Cidade Ilhada da Paula Cristina
Manual dos Jovens Estressados da Fernanda
Recado aos nossos Ancestrais da Bárbara
A Filosofia na Sala de Aula da Denise
Os Botões de Napoleão da Maria Helena
Nos Labirintos do Eco de Isac
Raizes do Brasil da Jayana
O People Portfólio da Terezinha
Leitura , Escrita e Surdez da Roberta.
Da Cultura do Corpo do Thiago
A Metodologia Ciêntifica da Jamile
Moça com Brinco de Pérola da Roseli Lorenzato
Luzes da Cidade do seu Gilberto
Memórias de um suicida, da Luzia
O Gato malhado e a Andorinha Sinhá, da Júlia...
E tantos outros e outros tantos... 

Que venha 2016! Boas festas e boas leituras.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

"Sangue , sangue . Muito sangue . "

           Começo esta postagem com a frase dita pela escritora Martha Argel (Relações de Sangue , O vampiro antes de Drácula ) na palestra sobra a história do vampiro na literatura . 
    
          A palestra ocorreu no dia 26/11 no CCP , por causa do número limitado de público , apenas alunos leitores da nossa biblioteca foram convidados . 
             
           Martha Argel , a palestrante , começou com uma pergunta para nós : 
"Que tipo de vampiro vocês gostam ? " 
  
              As respostas foram variadas ; uns gostavam do vampiro romantizado , como Edward Cullen da saga Crepúsculo , outros do vampiro clássico como o Drácula de Bram Stoker , e também havia aqueles que gostavam dos vampiros modernos presentes em Diários de um Vampiro
             
               E logo outra pergunta surgiu para o grupo : " Qual tipo de vampiro era melhor ? " 
           
           Ah , coitado do Edward Cullen , uma parte do furioso público o condenou à levar estacas em seu coração . Daí , Martha tomou essa brecha para começar sua palestra , com a proposta de nos mostrar que Edward e Drácula  dividem a mesma linhagem vampirística . Quer saber por quê ? Então vamos começar . 


            O início da história dos vampiros começa a muitos séculos , em pequenos vilarejos na Europa . O vampiro era uma criatura sanguinária , seu mito consistia de que ,após a morte de uma pessoa , a mesma retornava e matava um por um  de todos os seus familiares . 
              Médicos e cientistas visitaram esses vilarejos e investigaram essa lenda de vampiros que as pessoas tanto temiam. Chegaram à conclusão de que tudo não passava de crenças e falta de conhecimento científico . O tal vampiro não voltava da morte ,e seus familiares morriam porque era provável que alguma doença que o falecido tinha acabava  passando aos familiares, como uma epidemia . 
              Registros sobre essas pesquisas acabaram indo parar nas mãos de terceiros , e os vampiros acabaram virando um assunto comentado entre os bailes nobres europeus . 

               A primeira aparição de vampiros na literatura foi por volta do século XVII , em que poemas alemães contavam histórias de noivas que morriam na véspera do casamento, e acabavam voltando da morte para buscar seus futuros maridos . Apesar de não ser mencionado que essas noivas eram vampiras , há muita inspiração nos registros das pesquisas feitas nos vilarejos . 
                Já o primeiro intitulado como vampiro foi o personagem  Lord Ruthven do conto O Vampiro escrito por John William Pollidori . No momento de sua publicação , foi um sucesso , pois foi a primeira obra que transformou os vampiros - criaturas bestiais de vilarejos - no vampiro que conhecemos hoje : aristocrata , misterioso e sedutor . 
                        Mas logo , a fama de O Vampiro  desapareceu , e o autor faleceu . Só que , um francês escreveu uma obra que era um romance com o Lord Ruthven (uma espécie de fanfiction) e os olhos europeus voltaram-se novamente para o vampiro nobre . 
                       Mais tarde , foi publicada a obra mais famosa sobre vampiros : Drácula , de Bram Stoker . E daí surgiram milhares de livros , peças de teatro , filmes , HQ's , jogos ; tudo isso dentro do universo dos vampiros . 
                    
                            E sobre o pobre Edward Cullen ? Bem , vamos checar o que sabemos sobre vampiros : Se alimentam de sangue , são imortais , pertencem à famílias ricas , são sedutores e muito misteriosos . E sim , Edward se encaixa nesses padrões . 
                     
                         
       A palestra teve finalidade de contar sobre a origem e influência dos vampiros na cultura , e mostrar que , independente do tipo de vampiro , todos rendem boas histórias que nos fazem temer , rir ou nos apaixonar . 
           E a seguir , algumas fotos tiradas na palestras : 
Os alunos leitores no CCP

Livros trazidos pela Martha Argel 

O público fica encantado com a apresentação de Martha 

A escritora dá alguns autógrafos 

Livros de literatura vampirística da biblioteca José Paulo Paes , no CCP

Alunas ficam interessadas nos livros 

        
             E para vocês , um bom final de ano lotado de leituras e ... Sangue , muito sangue !