quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Eu sou porque nós somos.

3ª Semana Cultural da Escola E.E. Padre Antão

UBUNTU -  "Eu sou porque nós somos”
   
             05/10/16 a 08/10/16

Este ano nosso tema trará uma reflexão sobre quem somos e quem podemos ser a partir do outro, do trabalho coletivo e respeito humano.Nossa semana cultural nos dará a oportunidade de colocarmos o conceito da palavra de origem Africana, UBUNTU em prática. Isso se dará por meio das atividades propostas, do envolvimento de toda comunidade escolar, dos alunos e professores interagindo em prol de um resultado que possa proporcionar irmos além de um evento escolar.Nas sociedades africanas dá-se muita importância ao altruísmo coletivo, à partilha e a colaboração entre os seres humanos sempre com o devido respeito. Ubuntu também poderá ser entendido como um guia de conduta social solidária. Aprende-se o comportamento humano civilizado.As pessoas não devem levar vantagem pessoal em detrimento do bem-estar do grupo. Para que uma pessoa seja feliz será preciso que todas do grupo se sintam felizes. A sociedade africana entende que nós, os seres humanos, somos conectados uns com os outros, daí nossa humanidade. E que essa relação diz respeito também aos ancestrais mortos, aos vivos e aos que ainda nascerão.

 A Semana Cultural tem como objetivo integrar alunos e professores e promover o enriquecimento cultural, político e social de todo o grupo. Ela promove e permite a experiência do conhecer fora dos limites impostos pela sala de aula e pelas disciplinas curriculares. Dessa maneira ela inova permitindo que a escola se abra para questões presentes na sociedade e na vida dos educandos e todos da comunidade. Fruto da observação e análise dessa comunidade nos últimos anos, relacionadas a falta de conhecimento e reconhecimento sociopolítico e artístico-cultural advindos da forma como a sociedade é construída e que tem resultado em inúmeros atos de desrespeito às diferenças em relação a etnia, identidade de gênero, credo, assim como na falta de reflexão e valorização da própria cultura, da sociedade e do seu papel nela, e as consequências disso no ambiente escolar, onde a diferença e a diversidade estão sempre presentes.

     Certamente experimentaremos uma escola diferente, que propõe desafios aos alunos, ao corpo docente à equipe de orientação, coordenação e direção, aos funcionários. Toda a escola é convidada a vivenciar essa palavra complexa e que, traduz-se ao povo Africano num conceito moral, numa filosofia, num modo de viver. UBUNTU.
                                                                       Professora Mônica Patrício (Arte)

Enquanto  aguardamos,vamos dar uma olhadinha no que tem "rolado"  nestes dias que antecedem a nossa semana cultural?  
O João , aluno do 1ºG, deixando pronta a caixa
de som que será usada no auditório.

Depois dos ensaios de Street Dance, uma pausa no Sarauzim.

Sérgio Vaz na voz desses meninos, depois
da limpeza do Bosque.

Voluntário da Biblio e aluno do EJA,
 o Douglas também desejou conhecer
 o Sarau dos Mesquiteiros.


Grêmio  Estudantil marcando presença na preparação do piquenique
preparado por eles e escola da Família.

Depois do futebol, depois dos ensaios, depois do skate.

Falando sobre  livros e preferências literárias, e claro,
 da importância de um bosque da leitura, em nossa escola.


As amigas da Malala  querem o direito
de ir à escola.

Malala, a menina que queria ir
para a escola.

Preparando parede para a intervenção
 na Sala de Química.

Aula prática.

Um dos muito piqueniques que desejamos realizar no bosque.

Pé de amora faz o maior sucesso entre
alunos e professores.  O bosque da leitura está chegando.

Ensaios com professores voluntários. Escola da Família presente.


Professor Jorge  e seus alunos testando os bancos feitos para
o bosque da leitura.

Professora Mônica  buscando inspiração para as atividades
que irá realizar com seus alunos, durante a semana cultural.




Semana que vem, a programação completa aqui.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Contos e Lendas do Folclore Brasileiro - caminhos diversos


Quem gosta de fazer bagunça e de azedar o leite?
Quem tem dentes verdes e cabelos vermelhos?
Quem é o guardião da floresta e dos animais?
Quem despistas os caçadores com pegadas falsas?
Qual é o outro nome da mulher considerada a mãe D'agua?
Quem usa uma vela que ajuda a encontrar objetos perdidos?
Quem protege os campos das queimadas?
Quem em sua forma humana usa chapéu?
Quem tem escamas e é considerada o Bicho-Papão de saia?

As primeiras mediações de leitura com o tema do Folclore  aconteceram no final de agosto, com as turmas  dos 6º anos. Foi uma grande surpresa para eles, pois encontraram a sala de leitura toda decorada com a temática: Contos e Lendas do Folclore Brasileiro: Caminhos Diversos. Um acervo de aproximadamente 80 livros  e 40 livretos da Literatura de Cordel fez a festa da garotada. Muitos não conheciam a literatura de cordel, e a leitura  oral de alguns textos, realizada pela professora Sandra e por mim, possibilitou  o contato dos alunos com  este gênero literário. Puderam ver que a Literatura de Cordel é poesia popular, história contada em versos e  estrofes rimadas.Também  leram e ouviram contos e lendas de origem indígena e africana. Os livros são cheios de ilustrações e são um verdadeiro convite à leitura. A vontade de poder levar alguns exemplares para casa era grande, porém era preciso esperar que outras turmas pudessem, também, conhecer o acervo  que a biblioteca possui  sobre as nossas tradições populares.



            

            


            
                 Alguém viu um saci  passando por aqui?