sexta-feira, 14 de novembro de 2014

O menino das memórias inventadas



"Hoje eu completei oitenta e cinco anos. O poeta nasceu de treze. Naquela ocasião escrevi uma carta aos meus pais, que moravam na fazenda, contando que eu já decidira o que queria ser no meu futuro. Que eu não queria ser doutor. Nem doutor de curar nem doutor de fazer casa nem doutor de medir terras. Que eu queria era ser fraseador. Meu pai ficou meio vago depois de ler a carta. Minha mãe inclinou a cabeça. Eu queria ser fraseador e não doutor. Então, o meu irmão mais velho perguntou: Mas esse tal de fraseador bota mantimento em casa? Eu não queria ser doutor, eu só queria ser fraseador. Meu irmão insistiu: Mas se fraseador não bota mantimento em casa, nós temos que botar uma enxada na mão desse menino pra ele deixar de variar. A mãe baixou a cabeça um pouco mais. O pai continuou meio vago. Mas não botou enxada."


Memórias inventadas: a Infância / Manoel Barros. São Paulo: Planeta, 2003.

E que falta fará o nosso menino das memórias inventadas!! O poeta da natureza, segundo Valter Hugo Mãe . A perda de um poeta deixa nossa vida menos equilibrada. A poesia é vital , mesmo para quem não sabe disso. A chama acesa , que é a poesia de Manoel de Barros, não se apagará para quem não vive sem a poesia.




terça-feira, 4 de novembro de 2014

Literatura de Cordel em Sala de Aula.

- O que é Literatura de Cordel? A professora Solange deu uma aula sobre isto e eu faltei. Agora preciso pesquisar, porque faremos uma atividade sobre este tema e eu não faço ideia do que seja.
- Então vamos pesquisar? Que tal aprender sobre esta literatura por meio de um exemplo?

Moreira de Acopiara e Marco Haurélio  nos conta, de  modo bem diferente,
a história da literatura de cordel




                                                           
                                             Eu resolvi escrever
                                            Um cordel sobre cordel
                                            Porque o cordel tem sido
                                            Meu companheiro fiel,
                                            E pra tirar do leitor
                                            Alguma dúvida cruel.

                                            O cordel em minha vida
                                            Esteve sempre presente;
                                            Esteve, está  e estará
                                            Na vida de muita gente!
                                            Comigo ele sempre foi
                                            Um professor excelente.
                                                         ...

                                            E nesse clima poético
                                            Pude me desenvolver.
                                            Sempre lendo, sempre atento,
                                            E depois de tanto ler
                                            E de tanto ouvir, senti
                                            Que precisava escrever.''
                                                           ...
                                         
  E você sabia que a professora levou para a sala de aula todos estes livros?



 E depois de ler, ouvir e conhecer um pouco mais sobre cordel, os alunos foram convidados a produzirem cordeis. E claro, também conhecerem um pouquinho sobre as ilustrações nestes livretos:

A Xilografura.

"Outro fator importante
 Nesse tipo de cultura
 Foi que os artistas passaram
 A usar xilografura
 Um processo artesanal
 Que enriquecia a brochura."

E  aqui está a prova , desta aula tão ilustre:

A produção dos cordeis e material utilizado ( bandejas de isopor)
 na criação das xilografuras.

A exposição aconteceu durante a Gincana Cultural. Trabalhos
das  7ª séries A, B e D. Professora Solange Pinheiro.

                                                          ''O Velho e a Velha''
                                                         
                                                           Um velho foi convidado
                                                           Pra uma festa no sertão.
                                                           Disse que era muito boa,
                                                           Não podia faltar não!

                                                          Ele era muito esperto
                                                          Não queria estar sozinho.
                                                          Foi procurar uma mulher,
                                                          Pra dançar agarradinho!

                                                          Todas ''muié'' tava dançando
                                                          Ele não encontrou seu par,
                                                          Então pensou logo chorando:
                                                          É melhor começar a rezar!

                                                          De repente de mansinho
                                                          Chegou uma ''véia'' do seu lado
                                                          Veio fazendo carinho
                                                          Ja tava mordendo os lábios.
                                                         
                                                          A ''véia'' era tão feia
                                                          Que dava dor no coração.
                                                          Tinha a cara de um cabrito,
                                                           E as pernas de um pavão.

                                                           A ''véia'' era banguela,
                                                           E ainda queria beijar.
                                                           Ele falou desajeitado:
                                                           Não quero te namorar!

                                                          A ''véia'' saiu chorando,
                                                          E não deu nenhum beijinho.
                                                          E o ''véio'' todo orgulhoso
                                                          Acabou ficando sozinho!

                                                                    Caio Silva - 7ª D