segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

2014, um ano de muitas leituras.



2014, um ano de muitas leituras e muitos leitores. Mesmo em ano de Copa do Mundo e eleições, o número de leitores continuou crescendo. Mais alunos, mais professores, mais funcionários vêm descobrindo o prazer da leitura.  Foram 2.342 empréstimos de livros. Embora o número de leitores tenha crescido, não foi possível organizarmos nossa comemoração de final de ano. Estivemos envolvidas em passeios culturais, muitas mediações de leitura na biblioteca e nas salas de aula, bem como nas gincanas do ensino fundamental e médio.  As turmas de “devoradores de livros” só aumentam e vamos, ao longo do ano escolar, premiando estes jovens leitores, com mais leituras. Vamos indicando, sugerindo, e eles vão aceitando novos desafios. E gostam.  A 6ªsérie A, fez 227 empréstimos de livros e 141 gibis e mangás; seguida da 7ª série D, com 201 livros e 47 gibis; 6ªC  com 188 livros e 259 gibis e mangás. Nosso acervo de mangas e gibis  cresceu muito, pois recebemos muitas doações da professora Rosana Saldivar, e da escritora, Débora Vitorino. Por esta razão decidimos contar o número de leitores de HQs. Ficamos surpresas: 935 gibis e mangás lidos! E a 6ªsérie C leu 259!
Foi um ano de grande incentivo à leitura de textos literários. Professores de Português, Filosofia, Sociologia, Artes indicaram leituras, realizaram saraus poéticos, criaram antologias poéticas do século XIX, fizeram mediação de leitura, levaram os alunos à sala de vídeo para assistirem adaptações de obras literárias para o cinema, adotaram e sugeriram a leitura de clássicos da literatura brasileira, indicaram literaturas produzidas durante a ditadura militar. Como sabemos de tudo isto? Acompanhamos dando o suporte necessário para os empréstimos e colaborando com as atividades desenvolvidas.
 É de suma importância para a sociedade que desejamos formar, desenvolvermos mais e mais projetos e experiências que envolvam a leitura de textos literários. Vamos compartilhando aqui, as nossas experiências e as nossas leituras.
E já estamos em clima de festa para receber 2015 com muitos leitores novos.




                                       
                                           Professora Tatiana  e a leitura de O fantástico
                                           mistério de Feiurinha, de Pedro Bandeira.




                                             
                                                 Alunos ,da professora Eloísa, escolhendo leituras
                                                 de novo acervo disponível.


                                                                 Leituras na biblioteca.
                                                Alunas  fazendo suas escolhas literárias.



                                       O Projeto Comunidade Leitora - Escola da Família-
                                                     fez homenagem ao Monteiro Lobato.



Os alunos da professora Solange realizaram  várias atividades de leitura.
Entre elas:  Nos bastidores do cotidiano, de Laé de Souza,
aqui criaram ilustrações para as crônicas escolhidas.





                                          A partir da leitura de alguns clássicos juvenis,
                                         os alunos criaram histórias em quadrinhos.


Produções de Antologias  foram expostas
 em Um Dia na Escola de Meu filho.
                                 

                                         Registros de algumas atividades envolvendo a  leitura.
                                                         (aulas da professora Solange)                                          
                             






Os alunos do EJA  ( professora Deuzira) leram 
e pesquisaram sobre a poesia brasileira do século XIX e XX.
 Participaram de alguns Saraus na Biblioteca José Paulo Paes
 e fizeram sarau poético em sala de aula.





                                    Por que ler  poesia do século XIX nos dias  de hoje?
                                  A professora Patrícia  trabalhou, durante um bimestre,
                          a produção de uma antologia poética com os alunos do 2ºano-EM














 


quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Mês de novembro : leituras com Consciência.





 Não é  tarefa fácil para o professor, levar para as salas de aula questões polêmicas como preconceito e racismo.  O tema  em questão exige preparo e conhecimento, e o uso da literatura  possibilitando  reflexões acerca da história e da cultura afro- brasileira, pode ajudar e muito professores que desejam, não só introduzir a temática porque faz parte do currículo, mas principalmente porque  quer contemplar  os segmentos étnico -raciais e sócio - culturais representados pelos alunos.

Leituras promovendo outras leituras. Professores levaram para as salas,   textos literários, cuja temática  trata destas questões. A literatura despertando valores estéticos e humanos, oferecendo também entrosamento e recriação.O momento proporcionou conversar com os alunos sobre preconceito e racismo.  Livros juvenis  que suscitam reflexões acerca  da história e da cultura  afro- brasileira foram apresentados aos alunos, e estes puderam compartilhar leituras e reflexões.
A professora  Nívea, de História; a professora Mônica, de Artes; a professora Andreia de Sociologia; a professora Gleice, de Português, aceitaram o desafio. Ensino Médio e Fundamental tiveram a oportunidade de conhecer um pouco do acervo da biblioteca e participar das leituras compartilhadas. 

O professor deve buscar materiais didáticos para a sala de aula que contemplem os
segmentos étnico-raciais e sócio-culturais representados pelos alunos, trabalhando a diversidade, a
educação para o fortalecimento e construção de novas identidades baseadas no
reconhecimento da existência do outro. O uso da literatura é um caminho para a elaboração de
novas práticas escolares e uma forma lúdica de ensinar valores e novas culturas.



                              Alunos da professora Nívea realizaram as leituras na biblioteca.



                                       Alunos, da professora Mônica e professora Gleice,
                                            desenvolveram as atividades em sala de aula.






                    O Livro: O Mundo no Black Power da Tayó, foi lido  numa roda de leitura
                                                 pela professora Val, da biblioteca.





A professora Andreia, de História e Sociologia, levou para a sala de  aula , exemplares do livro: Racismo, Preconceito e Intolerância, do Historiador Edson Borges . A leitura  de alguns capítulos,possibilitou a reflexão  e o debate sobre questões tão polêmicas. As reflexões  resultaram em pesquisas sobre a vida de líderes negros que lutaram pelos direitos civis dos negros : Nelson Mandela, Steven Biko, Malcom X, Martin Luther King.












sexta-feira, 14 de novembro de 2014

O menino das memórias inventadas



"Hoje eu completei oitenta e cinco anos. O poeta nasceu de treze. Naquela ocasião escrevi uma carta aos meus pais, que moravam na fazenda, contando que eu já decidira o que queria ser no meu futuro. Que eu não queria ser doutor. Nem doutor de curar nem doutor de fazer casa nem doutor de medir terras. Que eu queria era ser fraseador. Meu pai ficou meio vago depois de ler a carta. Minha mãe inclinou a cabeça. Eu queria ser fraseador e não doutor. Então, o meu irmão mais velho perguntou: Mas esse tal de fraseador bota mantimento em casa? Eu não queria ser doutor, eu só queria ser fraseador. Meu irmão insistiu: Mas se fraseador não bota mantimento em casa, nós temos que botar uma enxada na mão desse menino pra ele deixar de variar. A mãe baixou a cabeça um pouco mais. O pai continuou meio vago. Mas não botou enxada."


Memórias inventadas: a Infância / Manoel Barros. São Paulo: Planeta, 2003.

E que falta fará o nosso menino das memórias inventadas!! O poeta da natureza, segundo Valter Hugo Mãe . A perda de um poeta deixa nossa vida menos equilibrada. A poesia é vital , mesmo para quem não sabe disso. A chama acesa , que é a poesia de Manoel de Barros, não se apagará para quem não vive sem a poesia.




terça-feira, 4 de novembro de 2014

Literatura de Cordel em Sala de Aula.

- O que é Literatura de Cordel? A professora Solange deu uma aula sobre isto e eu faltei. Agora preciso pesquisar, porque faremos uma atividade sobre este tema e eu não faço ideia do que seja.
- Então vamos pesquisar? Que tal aprender sobre esta literatura por meio de um exemplo?

Moreira de Acopiara e Marco Haurélio  nos conta, de  modo bem diferente,
a história da literatura de cordel




                                                           
                                             Eu resolvi escrever
                                            Um cordel sobre cordel
                                            Porque o cordel tem sido
                                            Meu companheiro fiel,
                                            E pra tirar do leitor
                                            Alguma dúvida cruel.

                                            O cordel em minha vida
                                            Esteve sempre presente;
                                            Esteve, está  e estará
                                            Na vida de muita gente!
                                            Comigo ele sempre foi
                                            Um professor excelente.
                                                         ...

                                            E nesse clima poético
                                            Pude me desenvolver.
                                            Sempre lendo, sempre atento,
                                            E depois de tanto ler
                                            E de tanto ouvir, senti
                                            Que precisava escrever.''
                                                           ...
                                         
  E você sabia que a professora levou para a sala de aula todos estes livros?



 E depois de ler, ouvir e conhecer um pouco mais sobre cordel, os alunos foram convidados a produzirem cordeis. E claro, também conhecerem um pouquinho sobre as ilustrações nestes livretos:

A Xilografura.

"Outro fator importante
 Nesse tipo de cultura
 Foi que os artistas passaram
 A usar xilografura
 Um processo artesanal
 Que enriquecia a brochura."

E  aqui está a prova , desta aula tão ilustre:

A produção dos cordeis e material utilizado ( bandejas de isopor)
 na criação das xilografuras.

A exposição aconteceu durante a Gincana Cultural. Trabalhos
das  7ª séries A, B e D. Professora Solange Pinheiro.

                                                          ''O Velho e a Velha''
                                                         
                                                           Um velho foi convidado
                                                           Pra uma festa no sertão.
                                                           Disse que era muito boa,
                                                           Não podia faltar não!

                                                          Ele era muito esperto
                                                          Não queria estar sozinho.
                                                          Foi procurar uma mulher,
                                                          Pra dançar agarradinho!

                                                          Todas ''muié'' tava dançando
                                                          Ele não encontrou seu par,
                                                          Então pensou logo chorando:
                                                          É melhor começar a rezar!

                                                          De repente de mansinho
                                                          Chegou uma ''véia'' do seu lado
                                                          Veio fazendo carinho
                                                          Ja tava mordendo os lábios.
                                                         
                                                          A ''véia'' era tão feia
                                                          Que dava dor no coração.
                                                          Tinha a cara de um cabrito,
                                                           E as pernas de um pavão.

                                                           A ''véia'' era banguela,
                                                           E ainda queria beijar.
                                                           Ele falou desajeitado:
                                                           Não quero te namorar!

                                                          A ''véia'' saiu chorando,
                                                          E não deu nenhum beijinho.
                                                          E o ''véio'' todo orgulhoso
                                                          Acabou ficando sozinho!

                                                                    Caio Silva - 7ª D
                               

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Uma aula diferente.

Uma Semana de Gincana Cultural no período da manhã, uma semana de Conselho de Escola e ensaios, uma Semana  de Gincana Cultural do período da tarde, uma semana de descanso. E o nosso post foi ficando para depois... mas ele está aqui, e antes da chegada de novembro.

Diferente da  galera da manhã, a semana cultural  à tarde, foi melhor organizada. Afinal, a energia desta turminha não é brinquedo não. Foi necessário a presença dos professores todo o tempo, os alunos puderam levar as carteiras, o som funcionou bem melhor porque já havia sido testado na semana anterior, com o período da manhã. A coordenadora Viviane e a Estagiária e aluna, Bruna Sophia, conduziram as atividades e os professores cuidaram da organização e disciplina.
Tudo saiu conforme o planejado. Até mesmo a comemoração pelo dia das crianças e dos professores.
Foram momentos de aprendizagem, convivência e descontração. No final, nem os professores resistiram : se divertiram dançando para os alunos.
 Alguns pais ficaram desconfiados com uma semana de aula atípica, mas acreditamos na percepção deles para perceberem que seus filhos tiveram a oportunidade de aprender a conviver com a diversidade, e com novas formas de aprendizagem.



Iniciando o Quiz de Conhecimentos Gerais.
Professor Jorge fala para plateia atenta.

Olha só a plateia atenta ao Professor Jorge!

Participantes do Quiz de Conhecimentos Gerais.
Dança Contemporânea no Show de Talentos.

Música no Show de Talentos

O Matheus arrasou no Rap.

Gustavo arrasando na guitarra.

Mylenna e Heidy  surpreenderam.

Foi preciso atenção  ao SOLETRANDO.
Ganhadores do Soletrando.

As meninas do 6º ano no Recital de Poesias. 
Recital de Poesias.

Os alunos, do 6º ano B,  deixaram todos emocionados no Show de Talentos.
Professora Solange com seu aluno no Soletrando.
Preparativos para a abertura do Soletrando.


"Deixa a batida na mente e o corpo descontrolando."

"Cego, mudo e surdo. Vem no passinho do Romano."

O Adrian  mostrou que sabe dançar o Passinho do Romano.

Professores encerram evento com Dancin' Days.


E a escolha das fotos foi bem difícil, ainda bem que a aluna, Ana Beatriz deu uma grande ajuda.
E a professora Mônica também fez uma seleção das suas.
Agora é esperar o próximo ano .